Antes
Mira Minkoba é a Portadora da Esperança. Desde o dia em que ela nasceu, foi lhe dito que ela é especial. Importante. Perfeita. Ela é conhecida em toda Ilhas Caídas não apenas por sua beleza, mas pelo Tratado de Mira nomeado após ela, um tratado de paz que uniu as sete ilhas contra seus inimigos no continente.
Mas Mira nunca se sentiu tão perfeita como todos dizem. Ela conta compulsivamente. Ela luta contra ansiedade paralisante. E ela está muito interessada em dragões para uma garota de sua posição.
Depois
Então Mira descobre um segredo explosivo que desafia a tudo o que ela e o Tradado defendem. Traída pelas mesmas pessoas aos quais ela passou sua vida servindo, Mira é sentenciada para o Abismo– a prisão mais mortal das Ilhas Caídas. Lá, um guarda cruel irá fazer de tudo para descobrir o segredo que ela morreria para proteger.
Não mais em dívida àqueles que a traíram, Mira precisa aprender a sobreviver sozinha e descobrir as verdades sombrias sobre as Ilhas Caídas — e ela mesma — antes que seu próprio mundo entre em colapso.
A nova série de Jodi Meadows, Ilhas Caídas, queima com magia em extinção, romance em fogo brando e fogo interior.
Autora: Jodi Meadows
Editora: Katherine Tegen Book
Páginas: 400
Classificação: 3/5
Formato da leitura: E-book - Inglês

Mira foi mandada para a prisão injustamente. Ela era a voz do Conselho Luminar. Ela era amada e admirada pelo povo. Mas quando descobriu atividades ilícitas do Conselho, não houve julgamento, não lhe deram a chance de se defender. A cada dia de prisão, ela esperava que algum guarda lhe dissesse que aquilo era um grande engano.
Ninguém gostaria de ouvir que suas tentativas de fazer o bem poderiam ser, na verdade, prejudiciais.
Mais de um mês na prisão se passou quando ela finalmente foi solta. Ela finalmente poderia falar com o povo. Mas quem acreditara nela? Poucos souberam de sua prisão. Tudo fora acobertado. O Conselho havia manipulado toda a situação. E apenas Mira sabia a verdade.
Eu esperava que todos honrassem o que diziam sobre igualdade através das ilhas, não essa traição do próprio âmago do Tratado de Mira.
Eu esperava gostar muito mais deste livro. Infelizmente, fiquei um pouco decepcionada. Os motivos são dois: a personagem principal, Mira, e o fato de que 50% do plot se passa dentro de uma prisão, gerando poucos momentos de ação. Felizmente, o restante do livro compensa o início arrastado.
Eu passei toda a minha vida ouvindo sobre a importância do Tradado Mira. Não fique surpresa que eu acredite nele. E não fique chocada que agora eu irei usar a minha voz - a voz que você me deu - para falar das brutais injustiças feitas pelas próprias pessoas que assinaram o tratado contra estas ações.
A personagem principal é um pouco chatinha: Mira acha que seu único talento é ser um rostinho bonito. Em uma prisão onde pouca luz é permitida, ela acha que não possui mais nenhum valor. Ela reclama da falta de seus cremes, perfumes e vestidos. De como sua pele não mais irradia saúde, de como seus cabelos estão desidratados. E possui a mania irritante de contar a quantidade de objetos ao seu redor e quantos passos ela consegue dar de um cômodo ao outro.
Você tem medo de mim, você e resto do Conselho Luminar. Você me fez uma voz poderosa, pensando que eu iria sempre ser a sua voz, mas você estava errada. Não sou uma ferramenta para ser usada para sua conveniência. Eu não serei empunhada contra as próprias fundações do tratado nomeado após mim.
Porém, ao longo do tempo que ela passa na prisão, vemos que aquela garotinha frágil e vaidosa vai amadurecendo. Vemos que ela tem um coração altruísta, que acredita na paz e na harmonia de sua sociedade.

Descobrimos sobre os dragões, e o momento em que ela e seus amigos começaram a desconfiar do conselho, através das memórias de Mira na prisão. A trama se desenrola de maneira lenta, porém quando a verdadeira ação acontece, o ritmo do livro se torna eletrizante.

Estou muito ansiosa pelo lançamento da continuação deste livro, As She Ascends, previsto para ser lançado setembro deste ano nos EUA. Neste próximo livro espero muito mais ação e, claro, dragões! No Brasil ainda não há informações sobre qual editora comprou os direitos de publicação da trilogia.


2 Comentários

  1. Oiii Talita

    Os livros da Jodi ja notei que são mais lentos, principalmente quando são primeira parte de trilogia. A capa desse é linda e a premissa interessante, mas essa protagonista chatinha às vezes cansa durante a leitura com certeza. Espero que a segunda parte esteja melhor e te empolgue bastante pelo desfecho.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice, obrigada por comentar! Então, o primeiro livro da Jodi que eu li foi My Lady Jane, que foi escrito em conjunto com mais duas escritoras. E era um livro único, talvez por isso eu não o tenha achado lento...
      Também espero que a continuação seja mais empolgante!

      Abraços.

      Excluir

Seu comentário será sempre bem vindo!

Divulgação de blogs