“A Garota do Penhasco é um romance que enreda o leitor através de vários fios: a história de Grania Ryan e sua querida Aurora Devonshire, a garota do penhasco, nos fala sobre mudança de vida. A história das famílias Ryan e Lisle é um lindo conto sobre um século de mal-entendidos e rancor entre inimigos que se acreditam enganados por falcatruas financeiras.
O caso de amor entre Grania Ryan e Lawrence Lisle comove por sua delicadeza e força vertiginosa que culmina em imensa tristeza. Mas, sobretudo, A Garota do Penhasco é um livro que mostra como é possível encontrar uma finalidade, um propósito, quando todas as esperanças parecem perdidas.”


Autora: Lucinda Riley
Editora: Novo Conceito
Páginas: 528
Classificação: 5/5
Formato da Leitura: Físico

 Antes de começar a resenhar este livro maravilhoso, gostaria de ressaltar que houve um pequeno erro na sinopse: Grania e Lawrence não possuem um romance, pois pertencem á diferentes gerações. Acredito que tenha sido um erro da gráfica, ao qual confundiu o nome de um dos personagens.

 O livro começa nos apresentando a protagonista Grania Ryan em um momento de profundas mudanças. Ela esconde um segredo, um segredo que a levou á atravessar o Atlântico e voltar a morar com os pais na Irlanda temporariamente. Sua mãe, Kathleen Ryan, a instiga a revelar o que realmente aconteceu, porém Grania está relutante em revelar algo que a feriu em Nova York. Seu namorado, Matt, constantemente procura entrar em contato, porém Grania ignora os e-mails e telefonemas do rapaz, que não possui a menor ideia do motivo de Grania o evitar.

 Em uma tarde, caminhando pelas redondezas da cidade, Grania vê uma garota no penhasco. A garota lhe parece tão solitária e madura... Grania procura saber com sua mãe quem é a garotinha misteriosa. Sua mãe lhe revela que se trata de uma garota Lisle, que perdeu a mãe quando possuía apenas quatro anos e recomenda que mantenha distância deles. Grania não compreende o rancor que sua mãe nutre pela família da garota e ignorando os avisos da mãe acaba se aproximando da menina.

 Cada vez mais ela se aproxima de Aurora Devonshire e vice-versa. Grania então conhece o pai da menina, Alexander Devonshire, e se sente cada vez mais afeiçoada à aquelas duas pessoas.

 Com a inevitável proximidade da filha com os Lisle, Kathleen se sente obrigada a revelar os segredos que mantém as famílias separadas.  Então, o leitor embarca em uma viagem até o passado destas famílias que se uniram: Mary, bisavó de Grania, e o bebê ao qual ela teve a missão de cuidar, a futura bailarina Anna Langdon.

Passando pelos EUA, Irlanda e Rússia, pelas guerras e aos palcos, o livro é recheado de detalhes históricos, e de como esses fatores afetaram a vida de seus personagens.
 Esse livro foi a melhor leitura do ano. Foi meu primeiro livro da escritora Lucinda Riley, e descobri que ela possui uma escrita quase poética, carregada de sentimentos. O livro tem um tom melancólico, porém ele traz uma bela mensagem em suas mais de 500 páginas, algo que fica claro ao leitor, resumida nesta frase do livro, na página 206:
"E se havia uma coisa que havia aprendido com Sean, e de suas esperanças e sonhos com ele, era que tudo o que podia fazer era aproveitar o dia."
O livro aborda temas como família, traição, perdão, amor, mudanças, escolhas e superação. Recomendo a quem aprecia um belo romance histórico e esteja à procura de uma leitura que lhe faça refletir sobre o modo que "tratamos nossa vida."

Deixe um comentário

Seu comentário será sempre bem vindo!

Divulgação de blogs